Notícias Janela Redonda

Notícias da Janela Redonda
Jan/16

11

Missão, visão e valores

 

MISSÃO
Criamos um ambiente propício à aprendizagem, com profissionais competentes e dedicados. Para que os alunos alcancem um futuro promissor, proporcionamos um apoio eficiente pautado por padrões de exigência e responsabilidade, adequando os nossos métodos às especificidades de cada aluno.

VISÃO
Ser um espaço de referência na promoção do sucesso académico e profissional dos nossos alunos. 

VALORES
Competência
Dedicação
Rigor 
Organização
Exigência

 

Dez/15

15

Boas Festas!

 

Out/15

22

Dia 22 de Outubro - Dia Internacional da Gaguez

Baseando-se num estudo norte-americano, a Associação Portuguesa de Gagos (APG) afirma que, no mundo, mais de 68 milhões de pessoas sofrem de gaguez. Em Portugal estima-se que sejam à volta de 100 mil.

A gaguez é uma patologia da comunicação que pode ter origem genética (60% dos gagos têm um familiar que gagueja), contudo estudos recentes revelam que esta pode estar associada a questões neurológicas. São também usados argumentos psicossociais, defendendo que as exigências do meio envolvente, o desenvolvimento linguístico na infância e até a forma como a família lida com os primeiros sinais de gaguez, são relevantes. No entanto, adultos e crianças que sofrem de gaguez não têm mais problemas emocionais do que os que têm fluidez de discurso. 


A gaguez pode desenvolver-se entre os dois e os cinco anos da criança, surgindo normalmente aos três anos. Esta patologia afeta tanto a criança como todo o seu meio envolvente. Normalmente, nas crianças, está associada a sentimentos de tristeza, irritação e frustração por esta não conseguir comunicar com os outros de forma fluida. Os pais e familiares sentem-se impotentes por não saberem como ajudar nem conseguirem “curar”. A sociedade, em geral, impressiona-se com a dificuldade de comunicação e, muitas vezes, não reage da melhor forma. 


A Associação Portuguesa de Gagos refere que existe falta de informação sobre a gaguez em Portugal, o que conduz a um conjunto de estereótipos e respostas desajustadas, sugerindo que a melhor forma de lidar com a gaguez é falar de forma aberta com os interlocutores. 


No entanto é de salientar que existe tratamento, recorrendo a terapeutas da fala, proporcionando mais confiança e auto estima à pessoa gaga, o que auxiliará a fluidez do seu discurso.


Se é professor e tem de lidar com esta realidade aqui ficam algumas dicas:


O que se deve fazer?
- a criança com gaguez deve ser tratada como se tratam as outras crianças;
-deve-se tomar atenção ao que a criança diz e não ao modo como esta se pronuncia. Caso se note que a criança está ansiosa, deve-se dizer que não tem pressa, que ela pode falar à vontade;
- depois de ouvir a criança pode repetir-se, por outras palavras, o que ela disse, como forma de mostrar que se percebeu a mensagem, tornando a conversa natural. Assim a criança sentir-se-á mais segura;
- enquanto se fala com a criança gaga deve diminuir-se a velocidade da elocução, marcando bem as pausas e olhando-a sempre nos olhos;
- como forma de diminuir a ansiedade da criança, pode fazer-se perguntas de respostas curtas, adotando esta estratégia até se verificar um maior à vontade entre a criança gaga e a turma;
- a leitura deverá ser feita aos pares, como forma de diminuir a pressão na criança gaga;
- num momento em que a criança não esteja na sala (um dia que não vá à escola), deve-se ter uma conversa com a turma, de forma a elucidar acerca dos comportamentos que devem ter perante o/a colega.

O que não se deve fazer?
- dizer à criança para parar de gaguejar;
- pedir para pensar primeiro no que vai dizer, respirando antes de falar;
- terminar as frases da criança gaga, pressupondo as palavras que esta vai utilizar;
- interromper o discurso, pedindo para respirar e depois terminar a frase;
- mostrar impaciência, desconforto e  irritação por ouvir a criança a falar.

Helena Patrício (professora) e Ana Amado (Terapeuta da Fala)



Ago/15

25

Serviço de transporte escolar

 

A Janela Redonda dispõe agora de uma parceria com uma empresa de transporte coletivo de crianças devidamente certificada e homologada para esse efeito e de acordo com todas as normas impostas pelo decreto-lei 13/2006, que regulamenta esta atividade. 

O transporte é efetuado da escola para o nosso centro de estudos, numa carrinha licenciada no IMTT, com motorista Profissional Certificado. 

Consulte-nos para mais informações.

Jul/15

24

Apoio ao 1º ciclo

 

Pensar numa educação de qualidade para as crianças desde os primeiros anos de ingresso na escola é fundamental e essencial para um desenvolvimento global, harmonioso e progressivo da criança enquanto cidadão de direitos. Infelizmente, a elevada percentagem de alunos com insucesso constituem, sem dúvida, uma fonte de preocupação para todos os que, direta ou indiretamente se encontram ligados à educação.
 
Assim, a partir do próximo ano letivo, a Janela Redonda irá dispor de um serviço de Apoio ao 1º Ciclo.
Contacte-nos para mais informações.
Abr/15

29

Preparação para Exames

 

Abr/15

13

O Português e o Novo Acordo Ortográfico

O Acordo Ortográfico de 1990 entrou em vigor nas escolas, no início do ano letivo 2011-2012. Até agora, os alunos podiam utilizar ambas as grafias (do Acordo de 1945 e do de 1990), tanto em testes como em exames. Porém, este ano, pela primeira vez, os alunos do 9º e 12º anos, só poderão utilizar a grafia do Acordo de 1990.

Após o IAVE (Instituto de Avaliação Educativa) ter dado esta informação, rapidamente surgiram opiniões favoráveis bem como desfavoráveis à aplicação desta medida. Gerou-se uma enorme polémica em torno desta questão, sendo fácil encontrar diversas petições, por parte de professores, pais e alunos, para que este critério de correção não fosse aplicado nos exames. 

Sabendo que os alunos tiveram um longo período de adaptação ao novo Acordo e que as alterações feitas ao anterior não foram significativas, a aplicação deste critério de correção não será desvantajoso para os alunos pois não será, com certeza, o maior desafio que terão de enfrentar na realização dos exames. Apesar de não devermos descurar este tema, julgo que, como professores, pais e alunos, a nossa atenção deverá focar-se nos conteúdos programáticos, na qualidade de ensino e na aprendizagem dos nossos alunos.
 
Maria João Pedrosa - Professora de Português
Fev/15

18

A importância do raciocínio na aprendizagem da Matemática

É logo desde pequeno que se forma o gosto pela Matemática, disciplina que provoca sentimentos extremos: ora se gosta, ora se detesta. É, portanto, comum ouvir crianças dizerem “odeio Matemática”. 

A maioria dos alunos não gosta de Matemática porque não consegue entendê-la, isto, porque não foram educados, desde cedo, a utilizarem o raciocínio matemático na resolução dos problemas.

O raciocínio matemático é a junção dos raciocínios lógico, dedutivo e indutivo. Estes três tipos de raciocínio devem ser usados como um todo para que os problemas possam ser entendidos, para que seja definida a estratégia de resolução mais adequada e finalmente para que possa ser dada uma resposta coerente ao problema.

Para contrariar a tendência de desprezo por esta disciplina tão importante, o Novo Programa da Matemática no Ensino Básico indica cinco pilares essenciais na aprendizagem da Matemática, para que as crianças comecem desde cedo a desenvolver competências para “perceber” Matemática, entre os quais, o desenvolvimento do raciocínio matemático. Com este programa polémico pretende-se que as crianças comecem, desde o primeiro ciclo, a desenvolver as suas capacidades lógicas e a fazer deduções e induções que as possam levar à resolução dos problemas, sem sentirem grandes dificuldades.

Apesar das dificuldades sentidas, tanto por professores que têm de adaptar os seus métodos de ensino ao novo programa, como pelos pais que sentem dificuldade em ajudar os seus filhos com estas novas estratégias, esta forma de ensinar a matemática acaba por ser benéfica porque desenvolve o raciocínio lógico e dedutivo e as capacidades de generalização e abstração, desenvolvendo assim múltiplas capacidades, competências e talento, essenciais a uma integração consistente e bem sucedida no atual mercado de trabalho.

Ana Francisco - Professora de Matemática

 
Dez/14

12

Boas Festas!

 

Set/14

06

Curso de Iniciação ao Mandarim



Informamos que vamos iniciar o nosso primeiro Curso de Iniciação ao Mandarim.

Este curso pretende dotar os alunos com conhecimentos básicos essenciais relativamente à língua chinesa, introduzindo-os nomeadamente à fonética e à escrita dos carateres chineses. No final da formação o formando deve ser capaz de manter uma conversação em chinês de nível elementar e deve também possuir a capacidade de escrever e ler um número limitado de caracteres chineses.

Para mais informações, enviar mail para geral@janelaredonda.pt